Posts Tagged ‘Roland Slim’

O que você simplesmente não pode ser?

outubro 22, 2009

Um dos livros que gostei de ler sobre a mecânica quântica, o famoso Quem Somos Nós? (What the Bleep do we know?), sugere que você faça o exercício de se concentrar “naquilo que você acredita que jamais será. O que você gostaria, mas entende como impossível para a sua vida?”. Outra frase celebre diz que são as perguntas que movem o mundo. Quando me fiz esta pergunta, conclui que base jumping era a resposta.

Saltar de um obstáculo com um pára-quedas – Bulding (Prédio), Antenna (Antena), Spam (Ponte) ou Earth (Montanhas e penhascos) = BASE – parece algo que eu jamais terei condições de fazer. Mas me fascina.  Você salta e no segundo seguinte já está 9,8 metros abaixo de onde saltou, acelerando a esta distância por segundo ao quadrado, ou seja, a cada segundo 9,8 metros por segundo mais rápido, até a velocidade terminal da queda livre: 55 metros por segundo (em condições normais).

O equipamento de base jumping é diferente dos pára-quedas normais. Entre outras coisas, ele abre bem mais rápido: cerca de 30 metros após acionado o mecanismo, contra 150 metros dos tradicionais.

paraca

Fiz um único salto de pára-quedas até o momento, e para começar a sequer pensar em base jumping, você precisa de pelo menos cerca de 200 saltos, não existem regras neste sentido, mas você provavelmente vai morrer se começar muito antes disso. Base jumping não tolera erros, então tenho um longo caminho pela frente,  mas,  para quem tinha medo de altura, este foi um belo começo.

Base Jumping exige tanto estudo e treinamento porque você precisa controlar muito bem o pára-quedas: os problemas geralmente ocorrem após a abertura do equipamento, quando o atleta perde o controle e se choca contra o obstáculo, e não raramente são fatais. Três dos meus base jumpers favoritos são Dwain Weston, Roland Slim e Jeb Corliss. Os dois primeiros já morreram praticando, Jeb Corliss ainda está vivo, envolvido em um projeto chamado The WingSuit Landing Project.

Não é trágico morrer fazendo o que você ama, é? Viver sem tesão é bem pior e me assusta muito mais do que a morte. E você, o que simplesmente não pode ser?